Norte-coreanos são 'brutalmente executados' por quebrar restrições de COVID-19 - MISSÕES URGENTE
Seguir no Facebook Seguir no Twitter Seguir no Instagram

BRASIL MUNDO ISRAEL VERSÍCULOS PEDIDO DE ORAÇÃO VÍDEOS MÚSICA PREGAÇÕES CINEMA COLUNA

quinta-feira, 10 de dezembro de 2020

Norte-coreanos são 'brutalmente executados' por quebrar restrições de COVID-19

 

Soldados do exército sul-coreano ficam de guarda durante uma cerimônia de reabertura para a aldeia fronteiriça de Panmunjom entre a Coreia do Sul e a Coreia do Norte na zona desmilitarizada (DMZ) em 04 de novembro de 2020, em Panmunjom, Coreia do Sul. O ministro da Unificação, Lee In-young, pediu na quarta-feira que a Coreia do Norte restaurasse as linhas de comunicação transfronteiriças cortadas e retomasse a operação de um escritório de ligação conjunta agora destruído para trazer as relações inter-coreanas paradas de volta aos trilhos | Lee Jin-Man-Pool/Getty Images

Cidadãos norte-coreanos estão sendo informados de que os Estados Unidos estão planejando espalhar o vírus COVID-19 para "prejudicar a mais alta dignidade", o ditador Kim Jong Un. Como resultado, aqueles que não conseguem manter as ordens de quarentena do reino eremita são "brutalmente executados", revelou o desertor mais alto da Coreia do Norte.

Citando uma "fonte interna", Ri Jong Ho, que foi conselheiro do falecido ditador Kim Jong Il, disse durante o último webinar da Defense Forum Foundation, "What to Do About North Korea", que a quarentena do coronavírus das autoridades norte-coreanas está totalmente focada em manter Kim Jong Un seguro.

"O regime deu instruções ao seu povo de que inimigos externos como os Estados Unidos e a Coreia do Sul estão planejando espalhar o vírus para prejudicar a mais alta dignidade", disse ele. "É por isso que o regime de Kim está conduzindo medidas de quarentena anormalmente contra o coronavírus."

Como parte desse esforço, a Coreia do Norte "bloqueou todos os costumes da fronteira e reprimiu estritamente as atividades de contrabando, criando uma zona tampão de 2 quilômetros ao longo da longa fronteira", disse Ho, além de bloquear a entrada de rios e mares e forasteiros no país.

"Eles até executaram brutalmente as pessoas por não cumprirem a ordem de quarentena do coronavírus", disse ele. "As autoridades norte-coreanas podem continuar bloqueando tudo até que o vírus seja completamente eliminado na China, Coreia do Sul e Estados Unidos, ligando o coronavírus à segurança da mais alta dignidade, Kim Jong-Un."

Boletins gratuitos do CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

BOLETINS GRATUITOS DO CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

Apesar dos relatos sugerindo que Kim Jong Un está doente, Ho disse que o ditador comunista está "indo bem, apesar do fato de que ele está tendo algumas dificuldades físicas".

"Ele não tem problemas em governar o povo da Coreia do Norte neste momento", disse ele.

Em outubro, durante um desfile militar em comemoração ao 75º aniversário da fundação do Partido dos Trabalhadores, Kim Jong Un disse estar grato por ninguém em seu país ter contraído o "vírus maligno".

"O fato de termos defendido todo o nosso povo da doença epidêmica prejudicial que varre o mundo inteiro pode ser dito como um dever natural e sucesso do nosso partido", teria declarado Kim.

Ativistas de direitos humanos, no entanto, alertaram a comunidade global para as realidades dentro da Coreia do Norte, que é que pessoas infectadas com o COVID-19 estão sendo colocadas em "campos de quarentena" onde são privadas de comida, água e remédios, levando à fome e à morte.

Por quase 30 anos, Ho serviu o ditador Kim Jong Il na Coreia do Norte aconselhando o líder sobre desenvolvimento econômico. Ele fez bilhões para o regime através de seu trabalho no "Bureau 39", o escritório encarregado de trazer moeda forte para o regime, e como fundador e presidente da Daehung Shipping & Trading Company.

Seus esforços o levaram a receber inúmeros prêmios, incluindo o Prêmio Herói do Trabalho, que é a maior honra civil na Coreia do Norte.

Mas em outubro de 2014, Ho decidiu pedir asilo porque estava "terrivelmente chocado" ao ver Kim Jong Un "executar brutalmente seu tio, Jang Song Thaek, centenas de altos funcionários e seus assessores, e prender dezenas de milhares de seus familiares em campos de prisioneiros políticos".

"Naquela época, vários dos meus colegas e conhecidos foram horrivelmente executados com as metralhadoras anticraft, e os amigos dos meus filhos também foram levados para os notórios campos de prisioneiros políticos", disse ele. "Muitas pessoas foram executadas ao longo do ano, e dia após dia, a terrível notícia das execuções se espalhou."

Ho disse que temia que sua família pudesse ser o próximo alvo do regime, acrescentando: "Eu não podia mais ver nenhuma esperança na Coreia do Norte, e eu estava determinado a fazer algo pela liberdade e direitos humanos dos norte-coreanos".

Durante o webinar, Ho comparou o sistema ditatorial comunista da Coreia do Norte a um "culto", descrevendo como Kim Jong Un goza de autoridade absoluta ao garantir que as pessoas "o adorem e obedeçam". A família Kim está no poder há três gerações.

Ainda assim, Ho expressou otimismo de que, "com a ajuda de fora", a Coreia do Norte pode mudar. Ele encorajou a comunidade internacional a "se concentrar em abrir o Estado desonesto para o mundo e amenizar as violações dos direitos humanos dentro da Coreia do Norte" e ressaltou a importância da educação.

"Podemos ajudar os norte-coreanos a entender o que é democracia", disse ele. "Ao mesmo tempo, precisamos ajudá-los a entender por que não podem trazer mudanças na Coreia do Norte. Por isso, recomendo usar as vozes dos desertores norte-coreanos que vivem na Coreia do Sul através da Free North Korea Radio para que as pessoas da Coreia do Norte entendam que fora da Coreia do Norte não é um mundo perigoso."

De acordo com Ho, que passou grande parte de sua carreira garantindo que a Coreia do Norte pudesse escapar das sanções, as fortes sanções contra o país isolado são os "meios mais eficazes" de pressionar o regime de Kim a concluir sua desnuclearização e resolver suas questões de direitos humanos.

Ele observou que a Coreia do Norte desenvolveu consistentemente armas nucleares nas últimas décadas, "enganando os Estados Unidos" e outros líderes mundiais.

"No entanto, a política dos EUA em relação à Coreia do Norte foi alterada a cada nova administração. Portanto, espero que a próxima administração continue a manter sua política de atualização e fortalecimento das sanções contra a Coreia do Norte até que o regime de Kim complete sua desnuclearização."

"Se continuarmos a endurecer as sanções contra a Coreia do Norte, Kim Jong Un eventualmente escolherá entrar em colapso como a União Soviética com armas nucleares ou para desnuclearizar."

Os abusos de direitos humanos que ocorrem sob o regime de Kim estão bem documentados. A Coreia do Norte é classificada como a perseguidora número 1 de cristãos no mundo pela Lista de Observação Mundial de Open Doors USA 2020.

De acordo com um relatório recente da Korea Future Initiative, uma organização de caridade sem fins lucrativos, a maioria das violações da liberdade religiosa na Coreia do Norte são contra os cristãos.

Mais de 200 cristãos foram identificados como vítimas punidas por crimes, incluindo prática religiosa, atividades religiosas na China, posse de itens religiosos, contato com pessoas religiosas, frequentar um local de culto e compartilhar crenças religiosas.

O relatório documentou os vários métodos de vítimas de tortura sofridos nos campos de prisioneiros da Coreia do Norte, incluindo estrangulamento, fome, ser forçado a ingerir alimentos poluídos, privação de sono e espancamento excessivo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário