Exorcista veterano diz que cristãos podem ser vítimas de ocultismo, como olho maligno - MISSÕES URGENTE
Seguir no Facebook Seguir no Twitter Seguir no Instagram

BRASIL MUNDO ISRAEL VERSÍCULOS PEDIDO DE ORAÇÃO VÍDEOS MÚSICA PREGAÇÕES CINEMA E TV COLUNA

quinta-feira, 10 de dezembro de 2020

Exorcista veterano diz que cristãos podem ser vítimas de ocultismo, como olho maligno

 

Padre François-Marie Dermine, um exorcista, fala no Encontro de Rimini em 2015. | YouTube/ Domenicani - Multimídia ESD

O padre dominicano François-Marie Dermine, um exorcista veterano, alertou que, embora os cristãos orando possam ser mais difíceis de atacar, eles também podem se tornar vítimas de práticas ocultas como o mau-olhado.

O mau-olhado é considerado um olhar dado para infligir dano, sofrimento ou alguma forma de má sorte naqueles que é lançado.

Dermine que serviu em várias dioceses italianas desde 1994, e recentemente publicou um novo livro, Ragioniamo sul demonio. Tra superstizioni, mito e realtà (Let's Reason About the Devil: Between Superstitions, Myths and Reality), diz que, enquanto rezam os cristãos podem ser vítimas de práticas ocultas, eles também podem derrotar esse mal com a ajuda de Deus. Ele também acredita que não há "antídotos absolutos para a ação do diabo".

"Este fato foi confirmado pela minha própria experiência. Todos podem ser vítimas do mal. Mas é óbvio que é mais difícil que uma pessoa que tenta viver uma vida honesta na graça de Deus se torne presa do diabo", disse Dermine em uma entrevista recente ao National Catholic Register.

"Eu tenho seguido cristãos devotos que estavam sob seu controle. Mas se isso acontecer, se Deus permitir, é para permitir que essas pessoas cheguem a um bem maior. Eu pessoalmente testemunhei que essas pessoas podem dar um importante salto qualitativo em sua vida humana e em sua vida de fé", disse Dermine. "Também temos vários exemplos de santos possuídos na história, e isso significa muito. No entanto, essas pessoas foram capazes de vencer a batalha com a ajuda de Deus, e isso fortaleceu sua santidade e humanidade, também."

Boletins gratuitos do CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

BOLETINS GRATUITOS DO CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

O exorcista disse que escreveu seu último livro para tornar o público mais consciente da existência do diabo em um momento em que está sendo cada vez mais questionado.

"Eu sou um exorcista, e realmente me dói ouvir pessoas em geral e padres, em particular, negar a ação concreta do diabo em nossas vidas. Eu não aguentava mais essa situação. É a razão fundamental pela qual escrevi este livro", disse Demine.

"A fé privada da crença na existência do diabo não é genuína porque a existência de anjos é uma verdade de fé, e o diabo é um anjo caído. Estou muito claro deste ponto de vista. Quem nega a existência do diabo é um herege. Obviamente, o diabo não está no centro da fé, mas sua figura é indispensável para entender o mistério da fé."

Embora ele queira que os cristãos tenham cuidado para não demonizar tudo, ele observou que muitos crentes têm procurado racionalizar o diabo e enfatizou que acabar com o diabo é uma ameaça à crença em Deus.

"Uma vez ouvi algumas pessoas dizerem: 'Cheguei à consciência da existência de Deus através da consciência da existência do diabo, porque eu o vi.' Esta afirmação tem um valor relativo, mas é verdade que, se a figura do diabo está faltando, também se perde de vista a figura do próprio Deus. Nesse sentido, a morte do diabo pode acompanhar ou preceder ou favorecer a de Deus porque torna o conceito de Deus muito abstrato", disse Dermine.

"Torna a fé árida e intelectualista e nos faz esquecer que realmente precisamos ser salvos, ajudados e protegidos pelo Senhor. Devemos ter em mente que nossa fé consiste na presença efetiva de um Deus amoroso, e o raciocínio nem sempre é a melhor maneira de chegar a Deus", disse ele.

Nenhum comentário:

Postar um comentário