Organizações de Direitos Humanos pedem que Estado Islâmico seja julgado por genocídio - MISSÕES URGENTE
Seguir no Facebook Seguir no Twitter Seguir no Instagram

BRASIL MUNDO ISRAEL VERSÍCULOS PEDIDO DE ORAÇÃO VÍDEOS MÚSICA PREGAÇÕES CINEMA COLUNA

sexta-feira, 11 de dezembro de 2020

Organizações de Direitos Humanos pedem que Estado Islâmico seja julgado por genocídio

 A Administração Autônoma do Norte e Leste da Síria foi uma das organizações que pediu que o Estado Islâmico seja julgado por um tribunal internacional.

Um membro das forças árabes-curdas da Síria coloca uma cruz nos escombros antes de uma celebração de Natal na Igreja Católica Armênia dos Mártires, no centro da cidade de Raqa, leste da Síria, em 26 de dezembro de 2017. (Foto: DELIL SOULEIMAN / AFP)

Após a guerra contra o Estado Islâmico, os terroristas do grupo extremista deveriam ser julgados como os nazistas em Nuremberg, defendem os ativistas de Direitos Humanos de muitas nações.

Após a derrota do Estado Islâmico (também conhecido como ISIS), a Administração Autônoma do Norte e Leste da Síria, controlada pelos curdos, mantém 10.400 combatentes estrangeiros do grupo como prisioneiros, segundo informações dadas pelo oficial sênior do órgão, Bedran Ciya Kurd, durante um evento virtual dos Direitos Universais, na última quarta-feira (9). A maioria das nações não os aceitará de volta. Até o momento, não existe um tribunal internacional para julgá-los.

“Fizemos uma parceria com a coalizão local liderada pelos EUA para derrotar o Estado Islâmico, o que nos custou mais de 11.000 mártires e milhares de agentes”, disse Kurd. “O Estado Islâmico teve como alvo yazidis, cristãos, árabes e curdos e cometeu atrocidades horríveis, incluindo a escravidão sexual de mulheres e crianças. Há muito tempo pedimos a criação de tribunais internacionais ou tribunais internacionais híbridos, como o Tribunal de Nuremberg nas regiões do Norte e Leste da Síria, para responsabilizar os perpetradores pelos crimes que cometeram e garantir que as vítimas recebam justiça”.

Os crimes do Estado Islâmico vão muito além do terrorismo, disseram os defensores da justiça. O grupo cometeu genocídio contra grupos, como yazidis, cristãos e muçulmanos xiitas, bem como estupro em massa, e vendeu mulheres para a prostituição para financiar o avanço de seu califado.

A garota mais jovem usada como escrava sexual pelo grupo terrorista tinha apenas cinco anos, disse Waldemar Cislo, diretor da seção polonesa da fundação católica 'Ajuda à Igreja que Sofre'. O grupo terrorista leiloou mulheres como escravas sexuais pelo equivalente a apenas US $ 30. Muitas mulheres cometeram suicídio depois de serem libertadas, em vez de voltar para suas famílias humilhadas.

O Estsdo Islâmico destruiu o sustento das pessoas, torturou e assassinou homens e crianças foram crucificadas diante de seus pais, disseram defensores da justiça.

“Ao contrário da maioria dos que perpetraram essas atrocidades no passado, o Estado Islâmico realmente divulgou e celebrou sua violência como uma realização de sua missão ideológica”, disse Nadine Maenza, comissária da Comissão dos EUA sobre Liberdade Religiosa Internacional.

Cislo acrescentou que, por causa da destruição causada pelo EI, as famílias na Síria ganham tão pouco dinheiro que não podem sustentar suas próprias necessidades.

Os EUA lideraram o processo contra o EI, prendendo 28 americanos que haviam se tornado terroristas do EI para serem julgados por seus crimes, disse o embaixador geral do Escritório de Justiça Criminal dos EUA, Morse H. Tan

Nenhum comentário:

Postar um comentário