Piso do templo que Jesus andou foi recriado por arqueólogos - MISSÕES URGENTE
Seguir no Facebook Seguir no Twitter Seguir no Instagram

BRASIL MUNDO ISRAEL VERSÍCULOS PEDIDO DE ORAÇÃO VÍDEOS MÚSICA PREGAÇÕES CINEMA E TV COLUNA

quarta-feira, 23 de dezembro de 2020

Piso do templo que Jesus andou foi recriado por arqueólogos

 O Evangelho de João descreve Jesus “caminhando no templo do pórtico de Salomão”.

Réplica do piso, recriado por arqueólogos, em Jerusalém. (Foto: reprodução / WionNews)

Arqueólogos recriaram uma réplica do piso do antigo templo judaico em Jerusalém, onde Jesus caminhou. Seus pés pisaram sobre pedras lavradas, ladrilhos de tom de terra com desenhos geométricos, frios e desgastados pelo uso.

Com esse conhecimento, os arqueólogos e pedreiros israelenses, valendo-se ainda de relíquias e textos históricos, recriaram o piso sagrado para que ele possa ser visto hoje.

"Nós até fizemos os arranhões e todos os tipos de marcas que criaram a mesma aparência que costumava ser na época", disse o arqueólogo Assaf Avraham à Reuters perto da réplica de um metro quadrado de altura no Monte das Oliveiras, com vista para Cidade Velha de Jerusalém e locais sagrados.

De acordo com o Novo Testamento, Jesus foi ao templo ainda menino para peregrinar e estudar e, quando um pregador adulto, expulsou os cambistas com indignação. O Evangelho de João o descreve “caminhando no templo do pórtico de Salomão”.

O templo foi projetado pelo rei Herodes, assim como outras grandes estruturas na Judeia da era romana. Os ladrilhos remanescentes dessas ruínas mostraram aos arqueólogos quais materiais foram usados. Foi usado calcário trabalhado à mão e pedra do Mar Morto, bem como mármore importado - e que a incrustação tinha sido ornamentada no estilo “Opus Sectile”.

Flávio Josefo, historiador judeu do período, escreveu que os pátios dos templos eram “assentados com pedras de todos os tipos”, outra indicação de que os azulejos eram de várias cores e texturas.

Recriar o piso foi “um trabalho muito duro” que levou sete meses, disse Avi Tavisal, gerente da equipe de artesãos.

“Mas foi muito interessante e fizemos de todo o coração”, disse ele. “Esperamos que isso seja algo que as pessoas possam vir, ver, tocar e sentir como era 2.000 anos atrás”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário