Header Ads Widget

Por causa da perseguição crianças cristãs comemoram o natal longe de casa

 Elas tiveram que fugir do Estado Islâmico e comemoram o sétimo Natal longe do lugar onde nasceram

Grupo de 17 crianças deslocadas internamente comemoram o Natal em Erbil, no Iraque

É Natal. Estamos em uma igreja em Erbil, no Iraque. No entanto, não imagine uma das igrejas tradicionais, com suas torres e vitrais. As paredes são painéis de alumínio com núcleo de espuma, normalmente encontrados em uma fábrica ou depósito. Há um clima de celebração no ar. Há uma árvore de Natal, um presépio e piscas-piscas.

Um grupo de crianças está na igreja. Algumas mexem em suas partituras. Outras ouvem enquanto o líder cristão, Zachariah, ensaia seu instrumento, chamado "oud" em árabe – é o alaúde, um instrumento de cordas em forma de pêra, típico do Oriente Médio.

As 17 crianças, com idades entre 8 e 12 anos, estão em Erbil, mas estão longe de casa. Elas são todas deslocadas internas que fugiram de Mossul quando o Estado Islâmico invadiu a cidade, sete anos atrás. O coração do líder, Zachariah, dói para voltar para Mossul, 80 quilômetros a oeste.

Mas a cidade ainda é muito perigosa, e há muitas influências islâmicas radicais lá para voltar no momento. Então, ele vai comemorar o Natal aqui em Erbil, com essas crianças e suas famílias. É o sétimo ano em que comemorarão o Natal fora de casa.

Os parceiros locais da Portas Abertas no Iraque estão envolvidos no apoio a crianças e suas famílias que foram forçadas a fugir do Estado Islâmico desde que chegaram a Erbil. Primeiro com ajuda emergencial e espaços adequados para crianças, e depois com atendimento para traumas, educação e ajuda aos pais para iniciarem pequenos negócios. A Portas Abertas também apoia igrejas no Iraque para fornecer educação cristã para crianças, como uma escola dominical ou escola bíblica de férias.

Desejos para o Natal

Após o ensaio, as crianças falam sobre o maior desejo para o Natal. Suas respostas revelam o tipo de mundo em que cresceram. Lydia, de 10 anos, e Marina, de 8, por exemplo, gostariam de viver como as outras crianças do mundo, em amor e paz.

Só Deus sabe se um dia o desejo delas se tornará realidade. Mas, por enquanto, você está ajudando crianças como essas a continuarem a crescer na fé e a aprenderem a confiar em Deus, mantendo viva a esperança, seja qual for o futuro.


Postar um comentário

0 Comentários