Header Ads Widget

Cristãos deslocados de Mianmar formam aldeia chamada 'Bethel' fora de Yangon

 

As pessoas caminham fora de uma igreja no estado de Kachin, em Mianmar, onde 95% dos moradores são cristãos. | (Foto: Twitter/@BobRobertsJr)

ristãos minoritários deslocados pelo conflito no norte de Mianmar (também conhecido como Birmânia) formaram sua própria aldeia fora de Yangon e a chamaram de Baythala — ou "Bethel" — a cidade bíblica que serviu de refúgio para os necessitados.

Os combates contínuos entre os militares de Mianmar e o Exército de Arakan no norte do estado de Rakhine se espalharam para o estado vizinho de Chin, forçando o chin étnico, que é predominantemente cristão, para fora de suas aldeias e em campos temporários.

Depois de meses viajando centenas de quilômetros, um grupo de cerca de 80 cristãos se estabeleceu em um pequeno terreno no município de Yangon, Hmawbi, e formou sua própria aldeia.

Liderados por Kan Lwat — um homem de 36 anos cujo estado natal foi bombardeado na luta — os cristãos batizaram sua nova casa de Baythala, de acordo com um relatório da AFP.

"Isso significa que Jesus estava abençoando e ajudando as pessoas em apuros com este lugar, que será pacífico", disse Kan Lwat à agência de imprensa.

Boletins gratuitos do CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

BOLETINS GRATUITOS DO CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

A vila é atualmente apoiada por organizações cristãs e grupos de direitos chin que enviam alimentos e outros suprimentos enquanto os moradores esperam por água, eletricidade e suprimentos para construir casas.

Devido à pandemia COVID-19, Yangon está atualmente em crise econômica. Isso dificulta que os migrantes chin encontrem trabalho. Kan Lwat disse à AFP que espera que, uma vez que a pandemia alivie, os adultos poderão encontrar empregos e as crianças de 30 e poucos na aldeia terão acesso a uma melhor educação.

"Mesmo que nossas vidas não sejam boas, espero que meus filhos tenham um futuro melhor pela frente", disse ele.

O pastor da aldeia Aung Far disse que, apesar de seus problemas, ser capaz de viver em um lugar seguro, longe de bombardeios de artilharia ou soldados, é uma "dádiva de Deus".

"Mesmo que quiséssemos ir para casa, não podemos viver em paz porque ainda há brigas", disse o pastor.

A moradora Hla Sein disse à imprensa internacional que espera ficar na aldeia "para sempre", acrescentando: "Eu me sinto feliz vivendo aqui. É um sentimento diferente [do que] na minha aldeia natal."

A Open Doors ocupa a 18ª posição em sua Lista Mundial de Observação de 2021 dos países onde é mais difícil ser cristão.

O grupo observa que, devido aos combates contínuos, mais de 100.000 cristãos foram forçados a fugir de suas casas e agora vivem em campos onde lhe é negado acesso a alimentos e cuidados de saúde.

Os convertidos cristãos em Mianmar também enfrentam perseguição por sua fé no país de maioria budista.

De acordo com o Open Doors, os convertidos à fé cristã muitas vezes enfrentam perseguição e ostracização de suas famílias e comunidades por partirem, ou "trair", o sistema de crença em que cresceram.

O pastor Langjaw Gam Seng, que foi preso em 2016 por ajudar jornalistas a relatar o bombardeio de igrejas cristãs na província de Kachin, de maioria cristã, compartilhou anteriormente no Ministério público do Departamento de Estado dos EUA para promover a liberdade religiosa em 2019 como ele foi torturado e preso por funcionários de Mianmar.

"Fui detido, algemado e algemado por mais de um mês com os olhos amarrados e não pude ver por um mês inteiro", disse Seng. "E eles me colocaram em algo como uma masmorra por um mês inteiro e me deram comida mínima."

"Eu estava entrando e saindo da consciência por várias semanas", acrescentou.

Seng disse que ele desempenhou um papel fundamental para ajudar a ajudar as vítimas de violência e até ajudou a enterrar os mortos em meio à violência contínua entre os militares de Mianmar e os rebeldes em Kachin.

"Muitas vezes experimentamos a repressão por causa de nossa crença em nosso país", afirmou Seng. "Nosso país é muito diversificado com multiétnicos e multi-religiosos. Queremos que nossa sociedade seja plural e não oprimida por uma religião singular do Estado."

"Posso atestar o fato de que, com minha própria experiência, o bem-estar da sociedade ou mesmo da nação é incumbido da liberdade que eles desfrutam", acrescentou. "Eu não quero que outra pessoa passe pela mesma provação que eu passei."

Depois de visitar Kachin em 2018, o pastor do Texas Bob Roberts disse ao The Christian Post que os militares bombardearam cerca de 60 igrejas nos últimos 18 meses na região. Ele acrescentou que cerca de 20 deles foram convertidos em pagodes budistas.

"[Para] ser claro, a maior parte é sobre limpeza étnica", disse Roberts à CP na época.

Em dezembro, o Departamento de Estado dos EUA voltou a listar Mianmar como um "país de particular preocupação", uma designação que destaca países que toleram ou se envolvem em violações flagrantes da liberdade religiosa.

Postar um comentário

0 Comentários