Header Ads Widget

5 igrejas incendiadas em uma vila no Quênia

 

Forças de segurança quenianas protegem a Igreja Interior Africana após um ataque na cidade de Garissa, no norte do Quênia, em 1º de julho de 2012. | (Foto: Reuters/Chris Mann)

Uma associação de igrejas e clérigos cristãos exigiu uma investigação depois que incendiários não identificados destruíram cinco igrejas e jogaram fezes humanas nos edifícios de uma vila no oeste do Quênia, de acordo com relatos.

A Igreja de Santa Mônica, na vila de Otamba, na área de Nyaribari Chache, no condado de Kisii, foi queimada em 20 de janeiro, seguida por ataques semelhantes a três outras igrejas — Igreja Mundial de 100 membros, Adventista do Sétimo Dia e Legio Maria — no dia seguinte, informou o Morning Star News.

A quinta igreja, 250 membros da Assembleia de Deus do Quênia, foi incendiada em 24 de janeiro, informou o site de notícias de perseguição cristã com sede nos EUA.

"Além de incendiar as igrejas, os incendiários também cometeram os atos hediondos de colher fezes humanas nos edifícios para desencorajar os fiéis a frequentarem suas igrejas arruinadas", disse uma fonte. "A maioria dos membros da igreja estava com medo de participar de cultos [dentro ou perto das ruínas] após a queima das igrejas, temendo que os incendiários pudessem segui-los até suas casas, arriscando a vida de suas famílias."

A Igreja e a Associação do Clero do Quênia exigiram uma investigação. "Exigimos que as autoridades investigadoras descido ao fundo do assunto e exponham os agentes de tais atos hediondos. Qual é o motivo por trás disso e para quem são esses mercenários atuando?", disse em um comunicado, de acordo com o The Standard.

Boletins gratuitos do CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

BOLETINS GRATUITOS DO CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

As igrejas precisarão gastar milhões de xelins quenianos para reconstruir.

O Quênia ficou em 49º lugar na lista de observação mundial de 2021 da organização de apoio cristão Open Doors de países onde é mais difícil ser cristão.

Embora seja um país de maioria cristã, a perseguição se espalhou no Quênia, diz a Open Doors. "Particularmente, os cristãos com origem muçulmana nas regiões nordeste e costeira vivem sob constante ameaça de ataque — mesmo de seus parentes mais próximos. Nossa pesquisa revelou que os cristãos foram atacados e forçados a fugir de suas aldeias, e o grupo extremista islâmico al-Shabab se infiltrou na população local para monitorar as atividades dos cristãos nessas áreas."

O crime organizado também é um problema sério no país, acrescenta a Open Doors. "Funcionários corruptos muitas vezes não tomam medidas contra os perseguidores — aumentando o potencial de novos incidentes contra os cristãos."

No nordeste do país, o grupo terrorista al-Shabab é uma ameaça constante.

Al-Shabaab luta há anos para derrubar o governo somali. O grupo tem sido responsável por ataques em ambos os lados da fronteira da Somália e do Quênia, pois há muito tempo promete retaliar contra o Quênia por enviar tropas para a Somália para combater o grupo.

Em abril de 2015, al-Shabaab realizou um de seus ataques mais mortais quando invadiu o campus da Universidade garissa. Naquela ocasião, militantes disseram ter separado muçulmanos de não-muçulmanos e passaram a executar todos os estudantes não muçulmanos. Pelo menos 148 pessoas morreram no ataque.

Postar um comentário

0 Comentários