Header Ads Widget

70 cristãos evangélicos e ortodoxos libertados da prisão na Eritreia

 

Uma migrante cristã da Eritreia mostra um crucifixo feito de madeira depois que ela participou de uma missa de domingo na igreja improvisada em "A Nova Selva" perto de Calais, França, 2 de agosto de 2015. | (Foto: Reuters/Pascal Rossignol)

Setenta cristãos de origens evangélicas e ortodoxas, incluindo mulheres, foram libertados de três prisões na Eritreia, algumas depois de serem mantidos sem acusação por mais de uma década, de acordo com a Solidariedade Cristã, sediada no Reino Unido, em todo o mundo.

No que poderia ser uma tentativa de distrair a atenção da comunidade internacional do papel da Eritreia na guerra em curso na região de Tigray, na vizinha Etiópia, o governo da Eritreia libertou na última segunda-feira 21 mulheres e 43 prisioneiros do sexo masculino das prisões de Mai Serwa e Adi Abeito, perto da capital Asmara, informou a CSW.

Alguns dos prisioneiros foram mantidos sem acusação ou julgamento por até 12 anos.

Em 27 de janeiro, seis prisioneiras, que estavam detidas desde setembro passado, em Dekemhare, que fica a sudeste de Asmara, também foram libertadas. As mulheres foram presas por adorar em público, um vídeo do qual foi compartilhado por alguns nas redes sociais, disse a CSW.

"A CSW saúda a libertação desses cristãos na Eritreia, que foram detidos sem acusação ou julgamento, e nunca deveriam ter sido encarcerados", disse o presidente da CSW, Mervyn Thomas. "No entanto, esta boa notícia não deve obscurecer a cumplicidade contínua do regime da Eritreia em violações flagrantes dos direitos humanos, tanto dentro de suas próprias fronteiras quanto agora em Tigray."

Boletins gratuitos do CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

BOLETINS GRATUITOS DO CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

Conhecido como a Guerra do Tigray, o conflito armado está em curso desde novembro passado entre o Governo Regional de Tigray (liderado pela Frente De Libertação Popular de Tigray) e forças de apoio ao governo etíope, que incluem forças militares da Eritreia.

Relatos não confirmados sugerem que houve uma série de agressões fatais cometidas contra cidadãos em Tigray, uma região predominantemente cristã do norte da Etiópia.

No mês passado, testemunhas falaram com a Associated Press, detalhando assassinatos, saques e outros abusos cometidos por soldados da Eritreia em Tigray.

"Eles te matariam por tentar, ou mesmo chorar", disse uma mulher de 48 anos chamada Zenebu, que trabalha como profissional de saúde e mora no Colorado, mas ficou presa em Tigray por semanas enquanto visitava sua mãe. Ela acrescentou que alguns soldados da Eritreia foram de porta em porta, matando homens e meninos tigrayan com 7 anos de idade.

Zenebu detalhou como ela parecia quando viu soldados da Eritreia saquearem os pertences das casas dos moradores. Ela disse que seus bolsos estavam cheios de joias roubadas e lembrou de algumas tropas tentando em roupas saqueadas. "Eles estavam focados em tentar levar tudo de valor", acrescentou, dizendo que eles até roubaram fraldas. Ela viu caminhões sendo carregados com caixas de itens saqueados que seriam entregues em lugares na Eritreia.

Estimativas sugerem que milhares de soldados da Eritreia lutaram na Guerra Tigray ao lado do governo etíope. No entanto, o governo etíope negou o envolvimento de soldados da Eritreia no conflito.

O presidente da Eritreia, Isaias Afewerki, é membro da Igreja Ortodoxa Eritreia em Asmara — pertencente à maior entre as três únicas denominações cristãs permitidas para funcionar no país.

No entanto, Afewerki, de 75 anos, líder do Partido Da Frente Popular para a Democracia e justiça, tem a reputação de ser um alcoólatra e um autocrata implacável. A política de restrições de Afewerki é mais sobre seu medo de que a religião mobilize as pessoas como uma força política do que a religião em si.

Thomas pediu à comunidade internacional que pressione a Eritreia pela "libertação imediata e incondicional de todos os detidos arbitrariamente por causa de sua religião ou crença".

"Também pedimos ações urgentes para prender a crise em Tigray, inclusive impondo embargos de armas aos partidos em guerra, e sanções aos líderes da Etiópia e da Eritreia, que assumem a responsabilidade final por violações dos direitos humanos que supostamente estão sendo cometidas com impunidade por suas respectivas forças."

Em 4 de dezembro, o governo libertou 24 Testemunhas de Jeová, incluindo os opositores conscientes Paulos Eyasu, Isaac Mogos e Negede Teklemariam, que estavam presos há 26 anos.


Postar um comentário

0 Comentários