Header Ads Widget

Dois cristãos são presos por blasfêmia ao estudar a Bíblia em público, no Paquistão

Falsas acusações de blasfêmia no Paquistão são comuns e frequentemente motivadas por vinganças pessoais ou ódio religioso.

A advogada Aneeqa Maria [à direita] e um dos acusados, Haroon Ayub Masih, com o rosto desfocado por razões de segurança. (Foto: Morning Star News / The Voice Society)

A polícia em Lahore, Paquistão, acusou dois cristãos de blasfêmia depois que muçulmanos se opuseram ao estudo da Bíblia em um parque no fim de semana passado, informou o advogado de um dos acusados.

Haroon Ayub Masih, de 26 anos, e o amigo Salamat Mansha Masih, mais ou menos da mesma idade, estavam estudando a Bíblia no Parque da Cidade Modelo de Lahore no sábado (13/02) quando um grupo de muçulmanos se aproximou e disse que não deveriam ler a Bíblia em público, contou a advogada Aneeqa Maria da The Voice Society.

Quando Haroon Masih lhes disse que ler a Bíblia em público não era crime no Paquistão e que eles não tinham o direito de impedi-los, os muçulmanos começaram a questioná-los sobre sua fé cristã e perguntaram se tinham algum material de leitura para ajudá-los a entender a Bíblia, relatou a advogada.

“Por insistência deles, Haroon deu a eles um livro cristão intitulado ‘Zindagi Ka Paani’ ou ‘Água da Vida’”, disse Maria, que representa Haroon Masih. “Os jovens pegaram o livro e deixaram Haroon e Mansha por enquanto.”

Haroon Masih voltou para casa alguns minutos depois, enquanto Mansha Masih permaneceu no parque, disse ela.

“Poucos minutos depois, os jovens muçulmanos voltaram ao local onde Mansha estava presente e o atacaram, alegando que ele e Haroon haviam blasfemado contra seu profeta”, disse Maria ao Morning Star News.

“Eles também convocaram a segurança do parque e mentiram para eles que os dois cristãos estavam evangelizando os muçulmanos no parque e usaram palavras depreciativas para o Alcorão e o profeta [Muhammad]”, ela disse.

Maria informaou que alguém do grupo de amigos muçulmanos, liderado por Haroon Ahmed, então chamou o Tehreek-e-Labbaik Paquistão (TLP), um partido político islâmico de extrema direita que supostamente está por trás da maioria dos casos de blasfêmia contra os cristãos e os Ahmadiyya, uma seita originária do Islã que os muçulmanos repudiam.

Um cofundador da TLP, Muhammad Afzal Qadri, pediu a morte de três juízes da Suprema Corte envolvidos na absolvição de Asia Bibi em 2018, que havia sido injustamente condenado por blasfêmia e condenado à morte.

Os líderes do TLP chegaram e, sob sua pressão, a polícia registrou um caso contra os dois cristãos por comentários depreciativos contra Muhammad (Seção 295-C do Código Penal do Paquistão), punível com a morte; profanação do Alcorão (Seção 295-B), punível com prisão perpétua e multa; e atos deliberados e maliciosos destinados a ultrajar sentimentos religiosos (Seção 295-A), puníveis com até 10 anos de prisão e multa, disse Maria. O reclamante está listado como Haroon Ahmed.

“Mansha foi levado sob custódia no local, enquanto conseguimos obter a fiança pré-prisão para Haroon Masih até 24 de fevereiro”, disse ela. “Haroon e Mansha não pregavam aos muçulmanos como alegado no First Information Report [FIR] No. 61/21. Na verdade, eles estavam lendo a Bíblia e discutindo entre si quando um grupo de meninos muçulmanos, incluindo Ahmed, os ouviu e se opôs ao estudo da Bíblia.”

Ela disse que os dois cristãos vêm de famílias pobres, e a família de Haroon Masih teve que esconder o medo por sua segurança.

“Haroon agora vai se juntar à investigação e registrar sua declaração com a polícia”, disse ela.

O caso surge depois que uma enfermeira cristã foi acusada de blasfêmia em Karachi em 29 de janeiro, sob pressão de uma multidão islâmica, horas depois que a polícia rejeitou a acusação contra ela. Funcionários do Hospital Maternidade Sobhraj em Karachi em 28 de janeiro esbofetearam, espancaram e trancaram a enfermeira Tabeeta Nazir Gill, 42, em um quarto depois de acusá-la sem base de blasfêmia contra o Islã, disseram fontes.

A polícia questionou e libertou Nazir Gill depois de concluir que as acusações contra ela eram falsas e baseadas na vingança pessoal de um colega de trabalho, mas uma multidão muçulmana sitiou posteriormente a delegacia de polícia quando o reclamante pediu aos líderes muçulmanos que os mobilizassem. Nazir Gill e sua família se esconderam desde o registro do FIR.

Alegações Falsas

Falsas acusações de blasfêmia no Paquistão são comuns e frequentemente motivadas por vinganças pessoais ou ódio religioso. As acusações altamente inflamatórias têm o potencial de desencadear linchamentos de multidões, assassinatos de vigilantes e protestos em massa.

Muitos dos acusados ​​de blasfêmia nunca chegam ao tribunal; a violência matou 62 acusados ​​desde 1990, com poucos processos judiciais. Advogados que defendem acusados ​​de blasfêmia, juízes presidentes e indivíduos que falam contra a lei também são visados.

No Paquistão, 24 cristãos estão presos por acusações de blasfêmia. Eles são réus em 21 casos de blasfêmia em vários níveis do processo judicial.

Sem presunção de inocência no Paquistão, qualquer pessoa acusada de blasfêmia pode ser presa, muitas vezes por anos, enquanto aqueles que fazem falsas alegações ficam impunes. Em 2018, uma Comissão Especial do Senado para os Direitos Humanos e o Supremo Tribunal de Islamabad recomendaram que aqueles que fazem acusações de blasfêmia falsa recebam as mesmas punições aplicadas às condenações por blasfêmia, mas o governo rejeitou a recomendação. A recomendação também afirma que quem registra um caso de blasfêmia em uma delegacia de polícia deve trazer duas testemunhas.

Embora a punição por blasfêmia vá de vários anos de prisão até a morte no Paquistão, uma pessoa que fizer uma acusação falsa enfrenta uma punição potencial de apenas seis meses de prisão ou multa de 1.000 rúpias (US $ 6). Governos sucessivos reconheceram que as leis contra a blasfêmia são descaradamente mal utilizadas, mas pouco esforço foi feito para impedir os abusos.

Ativistas de direitos humanos dizem que é improvável que qualquer governo tome medidas para revogar ou emendar as leis de blasfêmia devido aos fortes sentimentos religiosos islâmicos no país de maioria muçulmana. Eles dizem que as autoridades paquistanesas devem ser instadas a implementar imediatamente salvaguardas processuais e institucionais eficazes nos níveis investigativo, de acusação e judicial para evitar o abuso dessas leis.

O Departamento de Estado dos EUA em 7 de dezembro redesignou o Paquistão entre nove outros "Países de Preocupação Particular" por graves violações da liberdade religiosa. Anteriormente, o Paquistão havia sido adicionado à lista em 28 de novembro de 2018. Os outros países da lista são Burma, China, Coreia do Norte, Eritreia, Irã, Nigéria, Arábia Saudita, Tajiquistão e Turcomenistão. O Sudão e o Uzbequistão foram removidos da Lista Especial de Observação do departamento devido a melhorias em seus registros de direitos religiosos.

O Paquistão ficou em quinto lugar na lista da organização de apoio cristão Portas Abertas, após divulgação da Lista Mundial da Perseguição 2021 com os 50 países mais hostis ao cristianismo.

Postar um comentário

0 Comentários