Header Ads Widget

Enfermeira cristã falsamente acusada de blasfêmia por colega de trabalho, amarrada e espancada no Paquistão

 

Mulheres da comunidade cristã choram por seus parentes, que foram mortos por um ataque suicida a uma igreja, durante seu funeral em Lahore, 17 de março de 2015. Atentados suicidas fora de duas igrejas em Lahore mataram 14 pessoas e feriram cerca de 80 outras durante os cultos no domingo em ataques reivindicados por uma facção do Talibã paquistanês. | (Foto: Reuters/Mohsin Raza)

Uma enfermeira cristã no Paquistão e sua família se esconderam depois de serem acusadas de cometer blasfêmia por um colega de trabalho muçulmano. Muitos em todo o país estão chateados depois que vídeos vieram à tona online de ela sendo atacada por colegas de trabalho.

Tabitha Nazir Gill, uma enfermeira cristã de 30 anos, foi acusada de blasfêmia quinta-feira no Hospital Maternidade Sobhraj, na cidade de Karachi, na província de Sindh, onde trabalhou por nove anos, informa a organização de defesa da perseguição internacional International Christian Concern, com sede nos Estados Unidos.

Um colega de trabalho muçulmano, que não foi identificado, supostamente fez a acusação após uma disputa pessoal sobre receber dicas em dinheiro de pacientes do hospital.

De acordo com o relatório do ICC, a enfermeira-chefe do hospital instruiu toda a equipe médica a não receber dicas em dinheiro dos pacientes. Gill teria permanecido como colega de trabalho que ela viu receber dinheiro de um paciente sobre a instrução.

O colega de trabalho então acusou falsamente Gill de cometer blasfêmia.

Boletins gratuitos do CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

BOLETINS GRATUITOS DO CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

De acordo com fontes que falaram com a organização sem fins lucrativos, funcionários do hospital espancaram Gill depois de amarrá-la com cordas e trancá-la em um quarto antes da polícia chegar. Ela foi levada sob custódia da polícia.

No entanto, a polícia libertou Gill, pois não encontraram nenhuma evidência contra ela. Mas, em última análise, a polícia foi pressionada a apresentar queixa.

Gill e sua família fugiram para um local desconhecido com medo da violência dos vigilantes, afirmou o cão de guarda da perseguição.

A polícia forneceu proteção a Gill e tentou resolver o problema, disse uma fonte à ICC.

"No entanto, uma multidão de centenas de muçulmanos se reuniu na delegacia local para forçar a polícia a registrar uma queixa geral contra Gill", disse a fonte ao ICC. "Este FIR foi apresentado hoje [sexta-feira]."

No Paquistão, a blasfêmia - insultando o Islã ou seu profeta Muhammad - é um crime que é punível com o tempo de prisão ou até mesmo com a pena de morte. A lei da blasfêmia, embutida nas seções 295 e 298 do Código Penal paquistanês, é frequentemente mal utilizada para vingança pessoal.

Não tem nenhuma disposição para punir um falso acusador ou uma falsa testemunha de blasfêmia. Mas o Paquistão prende mais pessoas sob acusação de blasfêmia do que qualquer outro país do mundo.

Extremistas islâmicos também usam a lei para atingir minorias religiosas: cristãos, xiitas, ahmadiyyas e hindus.

"No Paquistão, alegações de blasfêmia arruinam para sempre a vida do acusado, mesmo que comprovadamente falsas", disse o gerente regional do ICC, William Stark, em um comunicado.

"Pedimos às autoridades paquistanesas que investiguem minuciosamente essa falsa alegação e levem o falso acusador à justiça. As leis de blasfêmia do Paquistão não devem mais ser autorizadas a acertar contas pessoais ou incitar o ódio religioso. Muitas vezes, essas leis têm sido uma ferramenta nas mãos de extremistas que buscam provocar violência religiosa contra minorias."

De acordo com a União católica Asia News,a polícia registrou o caso de blasfêmia de Gill sob a seção 295-C do código legal do Paquistão, a seção punível com a pena de morte. A saída nota que um estudante de parteira acusou a enfermeira de dizer que o profeta Ismael nasceu de adultério e insultou Muhammad.

Um vídeo que veio à tona na internet de Gill sendo espancado no hospital atraiu a ira de um clérigo muçulmano Maulana Tahir.

"É com grande pesar que peço ao primeiro-ministro Imran Khan e aos líderes de Estado que tomem conhecimento. A investigação policial provou que ela não cometeu blasfêmia", afirmou ele em uma mensagem de vídeo no Facebook. "Os rostos dos atacantes são claros no vídeo. Eles devem receber punição mais rigorosa também para que um fanático violento ou religioso não possa usar indevidamente a lei 295 [blasfêmia] para prejudicar minorias e acertar uma pontuação pessoal em nome da religião."

Tahir afirmou que a lei da blasfêmia está fazendo com que as meninas minoritárias enfrentem "montanhas de tirania".

"Tente alterar essa lei", ele foi citado como dizendo. "Ninguém deve sofrer. O profeta Muhammad pediu para proteger a criação para a vontade de Alá. As minorias merecem direitos iguais para viver e adorar pacificamente."

Entre 1987 e 2017, 1.534 pessoas no Paquistão foram acusadas de blasfêmia, segundo a ICC, que também diz que pelo menos 238 dessas acusações foram feitas contra os cristãos.

Os cristãos só compõem 1,6% da população total do Paquistão. O Paquistão é listado pelo Departamento de Estado dos EUA como um "país de particular preocupação" com a liberdade religiosa e é classificado como o quinto pior país quando se trata da perseguição aos cristãos.

A atenção do mundo chamou a atenção para a lei de blasfêmia do Paquistão depois que a mãe cristã de cinco filhos, Asia Bibi, foi condenada à morte e cumpriu mais de 10 anos de prisão antes que a Suprema Corte do Paquistão a absolvesse em 2018. Sua absolvição atraiu a ira de grupos extremistas radicais, já que muitos protestaram nas ruas e ameaçaram matar os juízes da Suprema Corte responsáveis.

A ameaça de violência comum após uma alegação de blasfêmia também é real. Em 2014, o casal cristão Shehzad e Shamah Masih foram queimados até a morte em um forno de tijolos por falsas acusações de terem rasgado páginas do Alcorão.

O irmão de um cidadão americano também está enfrentando a possibilidade de ser condenado à morte no Paquistão por acusações de blasfêmia. O irmão, Shakeel Anjum, exorta o governo Biden a pressionar o país a libertar seu irmão, Nadeem Sansão.

Até o final de março, Sansão, de 47 anos, irá à Alta Corte de Lahore, no Paquistão, para se declarar contra acusações de blasfêmia, disse Anjum ao The Christian Post no início deste mês.

Em 24 de novembro de 2017, um homem chamado Abdul Haq teria dito à polícia que Sansão havia aberto uma conta falsa no Facebook onde ele supostamente postou material blasfemo. Ele pediu uma batida policial imediata na casa de Sansão para pegá-lo em flagrante.

A polícia capturou Sansão e um relatório policial alegou que ele havia admitido o crime, que, segundo seu irmão, foi feito sob tortura.

A polícia é acusada de espancar Sansão por três dias até que ele admitisse o crime, lembrou o irmão.

"Não somos livres para rezar [no Paquistão]", argumentou Anjum. "Nós não dizemos nada e somos cobrados por blasfêmia. Esta é uma questão de genocídio dos cristãos no Paquistão. Acabaram de destruir três anos de julgamento. Eles estão destruindo a vida das vítimas da blasfêmia."

Postar um comentário

0 Comentários