Header Ads Widget

Um pastor e dois meninos cristãos são mortos em ataque islâmico em Uganda

Cristãos sofrem com perseguição em Uganda.

Corpo de Ibrahim, de 6 anos, morto por parentes muçulmanos em Uganda (Foto: Reprodução/Moring Star News)

 Em 21 de novembro, o pastor Wilson Niwamanya estava indo para casa em Kabale, na Uganda, acompanhado de seu filho de 12 anos, a oeste de Uganda, depois de entregar uma literatura cristã ao longo da fronteira da República Democrática do Congo, quando quatro extremistas muçulmanos o pararam.

Eles foram parados perto de Kisoro, na noite de sábado (21), o filho do pastor estava em uma motocicleta com um trabalhador cristão de 15 anos, cujo nome foi resguardado para sua segurança. Ele contou que os agressores tinham objetos pontudos e uma adaga com cabo de chifre.

“Quando os quatro atacantes emergiram do mato, eles imediatamente agarraram o pastor Niwamanya, dizendo: ‘Este homem deve morrer por desrespeitar nossa religião’”, disse o trabalhador a um contato do Morning Star News em Kabale.

“Os agressores começaram a espancá-los com objetos contundentes e, a partir daí, usaram a espada e esfaquearam o menino no estômago. Ele morreu enquanto o pastor e eu tentávamos lutar contra os agressores ”, contou.

Quando outros motociclistas chegaram no local do crime, os motociclistas fugiram. O pastor foi ferido na cabeça, foi levado a uma clínica médica em Kisoro, mas não resistiu e faleceu dia 24 de novembro, contou sua esposa. O obreiro cristão teve ferimentos na mão.

A esposa de Niwamanya, disse que ele recebia ameaças, e que possivelmente foi essas pessoas que o atacaram, um pouco antes da sua morte ele recebeu uma mensagem dizendo:

“Por favor, pare de dar às pessoas livros que desacreditam o Islã, e se você continuar distribuindo esses livros, então você está arriscando sua vida ”, contou a esposa do pastor e mãe do menino falecidos.

Em 23 de novembro, apenas dois dias depois do ataque ao pastor e seu filho, Emmanuel Hamuzah, teve uma reunião de duas horas com seus parentes muçulmanos na aldeia de Kameme de Buseta Sub-condado, distrito de Kibuku. O ex-xeque (professor islâmico), de 38 anos, se recusou a renunciar a Cristo, e teve seu filho de seis anos morto.

Hamuzah e sua esposa se converteram há dois anos. Pouco depois da reunião, seus irmãos, irmãs e tio paterno o atacaram do lado de fora. Ele estava acompanhado de seu filho de 6 anos, quando eles se aproximaram por volta das 18h30 com uma exigência:

“Você deve renunciar a esta  cristã, que é uma vergonha para nossa família”, contou ele, “ Recusei-me a ceder à sua exigência e eles começaram a lutar comigo com pontapés e socos ”, disse Hamuzah ao Morning Star News.

“Tentei me defender enquanto os outros agressores pisavam no pescoço do meu filho, sufocando-o”. Os vizinhos correram em direção ao tumulto e os agressores fugiram, mas seu filho morreu antes de conseguir ajuda médica, contou ele.

Postar um comentário

0 Comentários