Header Ads Widget

Mais de 150 milhões de pessoas ouviram o Evangelho com pregações online em 2020

 As pregações foram transmitidas em diversos países do mundo com a organização do Ministério Pulse, fundado nos EUA. Centenas de milhares de pessoas se entregaram a Jesus.

Grupo de jovens assiste a pregação online em Hong Kong. (Imagem: Pulse)

Depois de um ano buscando unidade e compartilhando a mensagem de Jesus Cristo, um ministério está relatando que foi capaz de alcançar mais de 150 milhões de pessoas com o Evangelho por todo o mundo em 2020 e que mais de 100 mil delas declararam publicamente e se entregaram a Jesus como seu salvador.

O ministério ‘Pulse’, um movimento de evangelismo fundado nos EUA está se preparando para avançar em 2021, capacitando mais cristãos a compartilhar a esperança de Cristo com uma nova geração.

O fundador Nick Hall disse ao programa "The Prayer Link" da CBN News, que apesar de caótica, a atmosfera política atual dos EUA está realmente criando um cenário no qual os jovens estão realmente se aproximando de Deus.

"O que estou ouvindo dos jovens crentes é realmente um desejo de se unirem em torno da necessidade de compartilhar Jesus, de compartilhar o Evangelho", explicou ele. "Existem todos os tipos de opiniões sobre todos os tipos de coisas, todos os tipos de ideias e ainda há uma coisa que muda tudo. Então, eu estou vendo pessoas orando, jejuando e realmente acreditando nisso: não importa o que aconteça, nós sabemos que Deus está no controle e precisamos confiar Nele, agora mais do que nunca".

Hall disse que o Pulse respondeu aos acontecimentos desafiadores de 2020, como a pandemia e um cenário político-social marcado pela tensão, compartilhando as boas novas e espalhando o Evangelho.

“Nosso ministério está respondendo como sempre faríamos: queremos pregar o Evangelho. Queremos chamar a Igreja para onde nossa esperança se encontra. Tenho visto muito nos últimos 12 meses, crentes se preocupando com uma tonelada de questões e, sim, há coisas em que podemos nos unir", disse ele.

"Podemos nos unir para levantar a voz pela justiça e pelos feridos e vulneráveis. Só acho que quando falamos alto sobre questões secundárias, como política e períodos eleitorais, às vezes ficamos mais apaixonados pela campanha do que por Jesus e pelas almas perdidas", lembrou.

Ele observou que o ministério está procurando novas maneiras de se envolver com as pessoas porque Jesus é o que lhes trará esperança e cura.

“Nossa equipe está realmente tentando levar a Igreja a orar, a se unir, a curar e realmente se mobilizar porque em meio a um tempo instável, em meio à incerteza, temos a mensagem certa do Evangelho. E agora mais do que nunca, as pessoas estão abertas a essa mensagem. Agora, mais do que nunca, precisamos compartilhá-la e devemos procurar oportunidades para alcançar pessoas que precisam de Jesus”, destacou.

O papel da Igreja na sociedade

Hall também acredita que a igreja deve continuar a tratar de questões como injustiça racial e discriminação.

"Há muitas pessoas que não entendem. Eu encorajei em minha própria casa e minha própria igreja a entender que agora é a hora de a Igreja se levantar com uma mensagem de retidão e justiça", disse ele. "É um momento para ouvirmos e aprendermos e, especialmente em nossas igrejas locais, devemos ouvir vozes que representam diferentes populações de pessoas que estão fora da família de Deus".

"Eu entendo as complexidades e as tensões. Estou em Minneapolis, marco zero do caso da morte de George Floyd, dos posteriores tumultos e protestos acontecendo bem aqui. Mas quando uma parte da família se machuca, todos nós devemos sentir. E esta questão de justiça racial e discriminação é uma questão que assola nossa nação por muito tempo. A Igreja não pode se dar ao luxo de ficar em silêncio agora. Se não estamos falando contra certos erros, então como temos o direito de falar sobre eles. Este é o tempo para a luz de Cristo se levantar", acrescentou.

Apesar das complicações geradas pela pandemia do coronavírus e medidas que levaram ao fechamento das igrejas, o Pulse ajudou mais de 100.000 a iniciar um relacionamento com Jesus Cristo.

"Esta é uma era digital e, em meio à Covid-19, crise racial e caos político, nós, como igreja, temos a oportunidade de responder e acho que para nossa equipe em meio a isso , temos sido capazes de realizar algumas reuniões massivas", disse Hall.

“Nos últimos 12 meses, de março a maio do ano passado, tivemos mais de 150 milhões de pessoas ouvindo o Evangelho e mais de 100 mil pessoas respondendo publicamente à mensagem, aceitando a Jesus. Estes são eventos digitais, eventos de divulgação, que acontecem via Zoom em todo o mundo e pela televisão. Eu apenas penso que nunca houve uma fome pelo Evangelho como esta", acrescentou.

Clamor

Hall disse que sua oração para 2021 é por avivamento.

“Acho que precisamos de reavivamento. Precisamos que Deus se mova, nos mude como igreja. Deus sempre começa em Sua casa”, declarou ele. “Mais do que precisamos de uma mudança na Casa Branca ou na casa do nosso vizinho, que tendemos a nos distrair muito. Deus sempre gosta de começar em Sua casa ... nós somos Seu povo. Precisamos de Deus para abrir os céus e nos deixar sermos impactados".

"O arrependimento precisa começar conosco e precisamos chegar a Deus para que Ele nos incendeie pelo que importa, que queime pelas Escrituras, que Sua Palavra esteja viva em nós e desde o avivamento. Esta é uma oração por um despertar. Eu acredito que agora é a hora para o mundo ver uma declaração clara do Evangelho e que Jesus é aquele que eles estão procurando".

Postar um comentário

0 Comentários