Header Ads Widget

Cristã é morta durante culto em igreja na Jamaica por atirador se passando de membro

 

Andrea Lowe-Garwood | Facebook/Andrew Lowe-Garwood

Um atirador que entrou em uma igreja na cidade de Falmouth, no noroeste da Jamaica, na manhã de domingo, posando para ser um membro da igreja atirou em uma mulher de 51 anos morta enquanto o culto estava sendo transmitido na internet.

Andrea Lowe-Garwood, gerente de um banco na Paróquia de Trelawny, foi morta na Igreja Agape Christian Fellowship no domingo.

Três pessoas foram levadas sob custódia pela polícia em conexão com o assassinato, informou o Jamaica Gleaner na segunda-feira. As autoridades também dizem ter apreendido um veículo que acredita-se ter sido usado para escapar do crime.

De acordo com o Jamaica Observer, o atirador, que não havia sido identificado até o início da segunda-feira, disparou vários tiros depois de atirar na mulher. O ataque ocorreu quando o vídeo do serviço estava sendo transmitido ao vivo no Facebook.

O vídeo mostra membros da equipe de adoração gritando depois que tiros foram disparados.

Boletins gratuitos do CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

BOLETINS GRATUITOS DO CP

Junte-se a mais de 250.000 outros para obter as principais histórias com curadoria diária, além de ofertas especiais!

O Serviço de Informações da Jamaica informa que o autor se passou por membro da congregação. Ele foi até a vítima e atirou nela várias vezes antes de fugir para um carro branco. Lowe-Garwood foi levada para um hospital, onde foi declarada morta.

O motivo do crime ainda não é conhecido.

A ministra da Cultura, Gênero, Entretenimento e Esporte da Jamaica, Olivia Grange, expressou sua indignação em um comunicado na segunda-feira.

"As terríveis circunstâncias do assassinato da mulher em sua igreja devem servir de alerta para todos os jamaicanos", disse ela. "Todo o país deve agora se envolver em esforços para acabar com a criminalidade e a violência, pois exige que todos nós acabemos com a violência; e será preciso todos nós para defender a Jamaica contra os criminosos.

Lowe-Garwood, que trabalhava no Banco Comercial Nacional, foi identificado como membro do Partido Nacional Popular. Sua falecida mãe atuou como vice-presidente do MOVIMENTO DAS Mulheres PNP.

De acordo com O Jamaica Observer, o assassinato de Lowe-Garwood é o mais recente em uma semana que "criminosos em fuga foram em uma farra cometendo assassinatos, estupros, tiroteios, roubos e arrombamentos". A tomada informa que houve cerca de 34 incidentes ocorridos entre terça-feira e sábado em nove paróquias.

Lowe-Garwood perdeu seu marido, Jeffery Garwood, em julho passado depois que ele se envolveu em um acidente de carro em St. James.

Um ano antes, Lowe-Garwood tinha perdido sua mãe.

Lowe-Garwood foi mais tarde entrevistada em um programa de rádio sobre a morte de seu marido.

"Uma das partes mais difíceis é que não pude dizer um adeus final adequado", disse ela, de acordo com o The Jamaica Observer.

"Eu deveria fazer sua lembrança. Só estive com meu marido por mais de três anos. Eu queria mostrar essas partes bonitas dele; a pessoa que eu conhecia e que eu estava orgulhoso de ser sua esposa. E eu não tive essa oportunidade, COVID veio e tudo mudou."

A vítima também compartilhou que seu marido se sentaria atrás dela na igreja devido às restrições COVID-19 que exigiam que todos os adoradores se afastassem a seis metros de distância. Ela disse que 1,80 m estava longe demais, e assim ele se sentava atrás de mim.

A Jamaica tornou-se o país com o maior número de assassinatos no Caribe e na América Latina, de acordo com o Inquérito de Homicídios do InSight Crime 2020. O relatório, divulgado na última sexta-feira, mostra que a Jamaica venceu a Venezuela por menos de um ponto percentual.

"Isso mostra o quão longe afundamos no pecado como um país quando nossos jovens sentem que serão mantidos em alta estima se entrarem em uma igreja e cometerem um assassinato", disse um membro da igreja ao Loop News. "Estamos tão devastados por isso. É um ato perverso e insensível. Mas como cristãos, sabemos que nosso Deus é real e qualquer um que profanar sua casa encontrará um fim amargo."

O InSight Crime, que se baseia em dados publicados pela Força Policial, relata 1.301 assassinatos na Jamaica em 2020, uma taxa de homicídios de 46,5 por 100.000 pessoas.

"As Nações Unidas consideram qualquer taxa de homicídio de 10 por 100.000 cidadãos ou mais como uma 'epidemia'", escreveram Parker Asmann e Katie Jones, do InSight Crime, em uma análise. "O total de assassinatos na Jamaica marcou um declínio marginal em relação ao total de 1.339 assassinatos de 2019 e veio como outra melhoria bem-vinda em relação à soma de 1.647 de 2017."

Postar um comentário

0 Comentários